Papo de Fotógrafo Podcast

Menu
Tecnologia e Equipamentos

Mas e aí, até que ponto equipamento importa?

23 de fevereiro de 2016

Assunto sempre delicado, daqueles que dividem grupos de fotógrafos amigos em praticamente inimigos. Canon x Nikon? DSLR x Mirrorless? Digital x Analógico? Médio Formato x 35mm? TTL x Manual? Acredite, praticamente todo modo / fabricante / tipo de câmera gera inúmeras discussões, seja ao vivo ou na internet. É absolutamente bizarro que o meio da fotografia (câmeras, lentes, mídias, etc) seja o causador de tanta discórdia – mas, ao mesmo tempo, é explicável.

Falar sobre o último equipamento lançado pelos grandes fabricantes é praticamente obrigatoriedade de todos os fotógrafos – amadores e profissionais – e, por mais que alguns apenas queiram saber as novas features e/ou que determinado equipamento acrescentará em sua fotografia, a grande real é que, em 90% dos casos, a resposta é a mesma: nada. Absolutamente nada. Trocar de câmera não é sinônimo de melhores fotos – e nunca foi. O problema é que a grande maioria das pessoas confunde “melhores fotos” com “fotos de melhor qualidade de imagem”, o que são coisas diferentes.

Sharbat Gula: na esquerda, em 1984; na direita, em 2014. Foto: Steve McCurry para National Geographic.

Sharbat Gula: na esquerda, em 1984; na direita, em 2014. Foto: Steve McCurry para National Geographic.

Vamos voltar ao passado e pegar uma das fotos mais famosas de Steve McCurry, “Menina Afegã”, um de seus retratos mais famosos. Esse retrato, feito em 1984, não fica devendo em nada para o retrato feito 30 anos depois com a mesma mulher, Sharbat Gula. O que pouca gente imagina é que a foto feita em 1984 foi feita com um equipamento relativamente simples: uma Nikon FM2 e uma Nikkor 105mm f/2.5. E se você jogar essa mesma câmera nas mãos de um fanático por equipamento, nos dias atuais, é capaz de ouvir pérolas como “nossa, como essa galera conseguia fotografar sem autofoco?” ou “mas como funciona esse fotômetro sem indicação visual colorida por led?”, passando até mesmo pela máxima “nossa, que equipamento sem funções”.

Para citar outro exemplo, recentemente foi anunciado que o australiano Warren Richardson foi o vencedor do World Press Photo of 2015. E venceu com motivo, já que é uma foto sensacional – mas qual não foi a surpresa por ver que a maioria dos sites de notícia falaram sobre sua vitória citando que a imagem foi produzida por uma “ultrapassada” 5D Mk II, de 2009? Mas, e daí? A foto seria mesmo melhor se ele tivesse feito com um equipamento mais “atual”? Ou seria a mesma foto, apenas com menos ruído?

Precisamos lidar com o fato de que utilizamos, sumariamente, uma caixa selada por onde entra luz e ela forma uma imagem. Independente do tipo de câmera (DSLR, mirrorless, compacta, celular, etc), independente do fabricante (Canon, Nikon, Pentax, etc), independente do tipo de fotógrafo que você seja (amador ou profissional), o que você usa para fotografar é, em sua essência, essa caixa selada! O que cabe a você é saber, de cabo a rabo, se o seu atual equipamento te atende, quais são suas funções que você mais usa e quais você deixa de usar.

Acredite, você não precisa trocar de câmera toda vez que um modelo novo ser lançado.

—————

Ouça nosso bate-papo com o Bruno Massao: Equipamento faz a diferença?

%d blogueiros gostam disto: