Papo de Fotógrafo Podcast

Menu
Tecnologia e Equipamentos

Review: Canon EOS M3

12 de julho de 2016

A mirrorless da Canon – finalmente – chegou ao Brasil. Apesar de não ser a primeira iteração da câmera, pode se dizer que é a primeira tentativa séria da Canon nesse mercado que está em expansão e atrai cada vez mais fotógrafos. Mas e aí, será que ela é uma concorrente à altura para as concorrentes OlyPanaFujiSony? Ou é apenas mais uma oferta perdida nesse mar de opções?

Para começarmos, uma história rápida e que pode soar estranha, mas a EOS M3 não foi a primeira tentativa da Canon Brasil para entrar nesse mercado. Em 2013, a Canon chegou a oferecer em sua loja oficial a primeira iteração dessa linha, denominada apenas EOS M. Ocorre que essa câmera só foi um sucesso comercial no Japão, o que viria a ser decisivo no fato da Canon não ter lançado sua sucessora, a EOS M2, fora do território nipônico.

E isso seria o caso também com a EOS M3… Se ela não tivesse, de algum jeito, chamado a atenção para os outros mercados. Primeiro Europa e Ásia, depois América do Norte e, por fim, América do Sul. Mas porque isso ocorreu? Quem usou as duas iterações anteriores – EOS M e EOS M2 – sabe que são câmeras bem interessantes em seu conceito e altamente capazes de produzir fotos e vídeos de altíssima qualidade. A questão é que a Canon não tratou nenhuma dessas câmeras como uma ponte para o fotógrafo que queira usar mirrorless profissionalmente, e sim como apenas mais uma opção de “câmera compacta que troca de objetivas” em um mercado que, convenhamos, é tomado de opções boas e baratas de outras marcas. Mas alguém, dentro da Canon, pediu um pouquinho mais de dedicação para a terceira iteração, e ainda bem que essa pessoa fez isso, porque olha… A EOS M3 é muito melhor que suas antecessoras.

SEGURA A ONDA, AMIGUINHO. Se você tem alguma outra mirrorless que não a EOS M3, isso não é um aviso pra você sair vendendo sua câmera pra comprar uma. Aliás, talvez essa seja uma decisão que você tome ao final dessa resenha, porém sem pressa. Estamos entendidos? Então, vamos lá.

Equipamento utilizado para review:

– Canon EOS M3 (firmware 1.0.1)
– Canon EF-M 18-55mm f/3.5-5.6 IS STM
– Canon EF-M 22mm f/2 STM
– Canon EF-M 11-22 f/4-5.6 IS STM
– Canon Mount Adapter EF-EOS M (para uso de objetivas Canon EF e EF-S)

Primeiramente, um pouco de blá blá blá técnico:

Canon EOS M3 + EF-M 18-55mm f/3.5-5.6 IS STM: ISO 400, f/5.6 e 1/30

Canon EOS M3 + EF-M 18-55mm f/3.5-5.6 IS STM: ISO 400, f/5.6 e 1/30

A EOS M3 é uma câmera mirrorless (sem espelho) que possui praticamente as mesmas especificações das Rebel T6i e Rebel T6s: elas compartilham o mesmo sensor APS-C com 24MP de resolução, a mesma bateria LP-E17, também possuem WiFi e NFC, gravação de vídeo em 1080/30p e 1080/24p com a tecnologia Hybrid CMOS AF III, o mesmo processador DIGIC 6, possui um compartimento para cartão SD, etc. Mas ela não é uma versão reduzida das Rebel – afirmação que é bem mais cabível às iterações anteriores -, não. A EOS M3 tem um DNA digno de qualquer XXD, estando bem mais próxima da 70D do que você imagina.

A EOS M3 é uma câmera genuinamente legal de ser usar, com uma versatilidade interessante e, talvez mais importante, uma ergonomia boa sem apresentar um grip estranho e desconexo com algum design vintage – como é o caso de algumas câmeras da Olympus.

Canon EOS M3 + EF 100mm f/2 USM: ISO 400, f/2 e 1/200

Giu Henne // Canon EOS M3 + EF 100mm f/2 USM: ISO 400, f/2 e 1/200

Por se tratar de uma mirrorless, a Canon manteve o mount EF-M – introduzido com a EOS M, em 2012 -, uma variação do mount EF que já é utilizado em suas SLR (linha EOS) desde o início da década de 90. O mount EF-M apresenta um encaixe menor, que possibilita a fabricação de objetivas menores e mais compactas – além de um adaptador oficial da própria empresa, que possibilita o uso de objetivas EF e EF-S. A lente de kit básica é a EF-M 18-55mm f/3.5-5.6 IS STM, com o diferencial de que ela é uma lente com uma construção muito mais sólida que a irmã mais velha EF-S 18-55mm f/3.5-5.6 IS STM que vem no kit das Rebel T5i e T6i – mas deixo para falar sobre as lentes do sistema mais pra frente. Por enquanto, fique apenas com a certeza de que as lentes são menores, mais leves e, por vezes, mais robustas que muitas objetivas EF e EF-S.

O fato da bateria LP-E17 ser utilizada por outras câmeras é bom por garantir uma certa disponibilidade a longo prazo – como é o caso da LP-E6, utilizada desde a 5D Mk II de 2009 até os dias atuais, e sua atual versão, LP-E6N – e, por se tratar de uma mirrorless, você vai precisar de algumas baterias extras. Entretanto, devo dizer que estou impressionado com a autonomia dela: de todas as mirrorless que eu já usei, ela é de longe a que teve melhor autonomia, chegando a aguentar quase dois dias de fotos e vídeos com uma unica carga. O sensor oferece um desempenho igual, senão melhor, que o das Rebel T6i e T6s, tanto em qualidade de imagem quanto em ISO alto. Sem muitas surpresas por aqui, principalmente se você leu o meu review sobre a Rebel T6i.

Por fim, ela possui uma tela articulável em 180º, que é sensacional para fazer fotos e vídeos de si próprio – coisa que, ironicamente, eu descobri ter sido proposital no design da câmera. E, apesar de não ter um EVF incorporado no corpo da câmera, ela possui a mesma sapata de contato presente na Powershot G1X Mark II, que possibilita o uso do acessório (opcional) EVF-DC1 – porém removendo a possibilidade do uso de flash externo com a câmera.

Portabilidade e ergonomia

5AM // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 100, f/2.2 e 1"

5AM // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 100, f/2.2 e 1″

Como eu mencionei no segmento anterior, a câmera possui todos os pontos fortes de uma EOS maior, porém em um pacote menor, o que a torna extremamente atrativa, já que a EOS M3 é consideravelmente menor que uma Rebel T6i. Eu sai para fotografar em duas ocasiões com apenas a câmera, montada com a EF-M 22mm f/2 STM, dentro de uma jaqueta e mais nada de equipamento.

Interessante mesmo, porém, é a ergonomia da câmera. Mesmo sendo pequena, ela encaixa na mão graças ao grip um pouco mais alongado – e não é preciso de um apoio de dedão para encaixar sua mão. É notável que a Canon teve um cuidado especial ao mudar o design da EOS M3 no que diz respeito à esse ponto. A câmera possui esquema de comandos bem interessante, contando com um dial de comando dianteiro (ao redor do botão disparador) que controla exposição no modo Manual. Ao lado do disparador ainda há um botão “M.Fn.”, que de fábrica vem assignado com a função de balanço de branco (WB), porém é possível alterá-lo para uma série de outras funções como autofoco ou perfil de imagem (de acordo com seu uso). Fora isso, na frente há um botão para desprender a objetiva – no mesmo esquema que as demais EOS.

Na traseira da câmera, há um segundo dial de comando, para controlar a abertura da objetiva no modo Manual. Esse dial ainda possui quatro botões: ao pressionar para cima você pode acessar a função ISO (no modo de disparo) e WiFi/NFC (no modo de visualização); apertando para a esquerda, você seleciona o foco entre automático e manual (MF); para a direita, você tem acesso aos modos de flash (caso ele esteja habilitado); finalmente, pressionando para baixo, você pode excluir uma imagem (no modo de visualização). O botão de lixeira, apesar de não ter função no modo de disparo, pode ser configurado para funções como drive, tipo de autofoco, etc – da mesma forma que o botão “M.Fn.”. Completando o esquema de botões na traseira da câmera estão o botão de trava de exposição (“*”), seleção de ponto de foco / zoom, “info” e “menu”. Próximo ao grip do dedão estão os dois últimos botões de ação: o botão para gravação de vídeo – que também é customízavel – e o botão para visualização das imagens produzidas.  Fora isso, vale ainda citar que a câmera possui touchscreen, o que facilita (e muito) a escolha de determinados pontos de foco.

Funcionamento e qualidade de imagem

Ana Arantes, do blog Bolas de Meia // Canon EOS M3 + Yongnuo 35mm f/2: ISO 1600, f/2.5 e 1/50

Ana Arantes, do blog Bolas de Meia // Canon EOS M3 + Yongnuo 35mm f/2: ISO 1600, f/2.5 e 1/50

A qualidade de imagem da EOS M3 é bem o que você esperaria de uma Rebel. Se você já leu minha resenha sobre a Rebel T6i, viu fotos e vídeos espalhados pela internet, etc, você já deve ter uma boa ideia de como essa câmera se comporta nesse sentido – tanto em fotos quanto vídeos. O que muda pra uma Rebel é algo que eu citei lá atrás: a EOS M3 tem muito mais de 70D/80D do que de Rebel.

Ao contrário das duas iterações anteriores, a EOS M3 possui dois dials de comando (contra um), além de ter a seleção de ISO com a possibilidade de incremento por terços (ao invés de incrementos por pontos). Apesar disso, a Canon não classifica a EOS M3 como uma câmera avançada, mas sim em uma categoria mais intermediária. Se eu fosse classificá-la dentro do atual line-up das EOS, ela ficaria exatamente entre a Rebel T6s e a 70D/80D, por ser um meio termo entre essas câmeras.

Pamella // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 400, f/4 e 1/125

Pamella // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 400, f/4 e 1/125

E a câmera se comporta exatamente dessa forma. No modo Manual, você utiliza o dial dianteiro para o controle de exposição, e o dial traseiro para comando de abertura. O botão disparador, ao ser pressionado pela metade, possibilita o autofoco (caso a função esteja habilitada), e você pode utilizar o os botões traseiros para selecionar o ponto de foco – apesar de ser muito mais fácil e intuitivo utilizar o touchscreen para tal. Além disso, a câmera a luz auxiliar de AF para situações de baixa luz.

Para os videomakers, a câmera as resoluções de 1080p com 30 e 24 frames, 720p com 60, 30 e 24 frames, e possui entrada para microfone externo para captura de áudio. Além disso, a câmera também possui um modo Manual para vídeo, que impede uma possível oscilação de exposição – como ocorre no modo automático. E o fato de ser possível utilizar ISO em incrementos de terço transforma a EOS M3 em uma possível segunda câmera para gravações de vídeos, podendo seguir à risca as mesmas configurações de outras câmeras mais utilizadas para esses fins, como a 5D Mk III ou a 6D. Assim como na maioria das EOS, o botão para iniciar e parar a gravação de vídeo é dedicado apenas à essa função.

Outro ponto positivo da câmera é a função de focus peaking. É possível configurar três diferentes cores (vermelho, azul e amarelo) e três diferentes intensidades (baixo, médio e alto), e isso faz com que as áreas em foco sejam “sublinhadas” nessa cor que você selecionou, o que facilita – e muito – o uso de foco manual, mesmo com objetivas eletrônicas.

E o adaptador?

Canon EOS M3 + EF 85mm f/1.2L II USM: ISO 3200, f/1.2 e 1/320

Canon EOS M3 + EF 85mm f/1.2L II USM: ISO 3200, f/1.2 e 1/320

A Canon Brasil deixou o adaptador Canon EOS M Mount Adapter junto com a câmera para que eu pudesse utilizá-la com minhas lentes normais, e devo dizer que fiquei surpreso com o resultado entregue pelo adaptador.

Primeiro que eu não senti diferença no desempenho de autofoco entre as objetivas nativas e as objetivas EF/EF-S, de modo que nem parecia ter um adaptador montado entre a câmera e a objetiva escolhida. Fora que é possível manter o controle total da objetiva, incluindo a seleção da abertura através do corpo da câmera, e o próprio adaptador possui um encaixe de tripé “destacável”, o que possibilita o uso de objetivas mais pesadas sem forçar a câmera.

O unico diferencial real foi no quesito da seleção entre autofoco e foco manual. Nas objetivas nativas, o foco manual é habilitado ao se pressionar o botão MF na traseira da câmera, enquanto com as objetivas EF e EF-S é necessário utilizar o modo convencional, mudando o botão equivalente na objetiva – e a mesma coisa vale para o IS.

Pontos negativos e o que a Canon pode melhorar

Theo // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 800, f/2 e 1/30

Theo // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 800, f/2 e 1/30

A EOS M3, apesar de ser uma baita câmera, está longe de ser perfeita. A começar pelo autofoco, que apesar de rápido, não é, nem de longe, o ideal. Claro, é mais rápido que o de algumas outras mirrorless no mercado, mas nós sabemos que é possível ter um desempenho melhor que esse.

O fato da câmera também não ter um viewfinder embutido no corpo pode afastar possíveis usuários. Claro, é possível utilizar um viewfinder eletrônico opcional (Canon EVF-DC1), que também se comunica com as Powershot G3x e G1x Mk II, mas isso significa ocupar a sapata de contato da câmera com um acessório, o que limita a possibilidade de uso de um flash externo ou mesmo LED montado na câmera.

Ligia // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 1600, f/2.2 e 1/500

Ligia // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 1600, f/2.2 e 1/500

Existe também uma “falta” de funções que a Canon poderia dar cabo via firmware, como a inclusão de um modo de timelapse e de múltipla exposição, funções muito utilizadas e que só estão presentes em modelos mais avançados. Considerando que a EOS M3 é mais avançada que algumas câmeras dentro do próprio line-up da Canon, é uma surpresa ver que ela não possuí essas funções.

Por fim, mas não menos importante, é que ainda existem uma demanda pequena de objetivas dedicadas ao sistema, com apenas duas objetivas fixas (EF-M 22mm f/2 STM e EF-M 28mm f/3.5 Macro STM) e quatro objetivas zoom (EF-M 11-22mm f/4-5.6 IS STM, EF-M 15-45mm f/3.5-6.3 IS STM, EF-M 18-55mm f/3.5-5.6 IS STM e EF-M 55-200mm f/4-5.6 IS STM). Claro, você tem todo o line-up da Canon (de objetivas EF e EF-S) para usar com o devido adaptador, mas muitas vezes isso não vai compensar devido ao tamanho dessas objetivas somados ao tamanho do adaptador. Isso, inclusive, será o assunto de um próximo artigo que eu abordarei a respeito da EOS M3, com objetivas que valem a pena de serem adaptadas no sistema.

Conclusão

Jessica // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 800, f/2 e 1/50

Jessica // Canon EOS M3 + EF-M 22mm f/2 STM: ISO 800, f/2 e 1/50

A EOS M3 é uma baita câmera. Ela é simples e tem o que há de mais essencial para você produzir ótimas imagens. Poderia ser um equipamento melhor? Não há de se negar que sim, poderia ser um equipamento melhor. Mas ela está longe de ser uma péssima câmera, e se você não ligar para o uso das atuais objetivas EF e EF-S com um corpo demasiadamente pequeno, você tem, sim, um sistema bem completo e capaz de suprir a necessidade de uma câmera maior em vários segmentos da fotografia.

Eu não poderia de dizer que, no mínimo, todo usuário de Canon deveria utilizar essa câmera, nem que fosse como um segundo corpo. Pelo menos pra sentir o que ela é – e o que representa para o futuro da Canon dentro desse mercado de mirrorless. Aliás, eu vou dar um braço de vantagem e dizer que todos os entusiastas de mirrorless deveriam utilizar essa câmera ao menos uma vez na vida – afinal, foi com essa simples câmera que a Canon desbancou o total de vendas da Fuji no segmento de mirrorless no Japão.

Todas as fotos desse review foram tiradas por mim, Bruno Massao.

A Canon EOS M3 está sendo vendida na loja online da Canon pelo valor de R$4.599,99 (kit com a objetiva EF-M 18-55mm f/3.5-5.6 IS STM).

** Agradecimentos à Canon Brasil que nos cedeu um exemplar da câmera e as respectivas lentes e acessórios para esse review.

%d blogueiros gostam disto: