Papo de Fotógrafo Podcast

Menu
Tecnologia e Equipamentos

Review: Canon EOS 80D

26 de agosto de 2016

Mais um review fresquinho para vocês, queridos leitores do Papo de Fotógrafo! E dessa vez trazemos uma câmera quentinha, recém chegada ao Brasil: a Canon EOS 80D. Adianto de antemão que, infelizmente, eu tive pouquíssimo tempo para fazer esse review – portanto não esperem nada hiper detalhado igual foi o review da EOS M3.

Então, sem mais delongas, lá vamos nós.

UMA BREVE INTRODUÇÃO

Em 2013, a Canon lançou a EOS 70D, uma DSLR de nível intermediário que foi um grande avanço dentro de sua série EOS. Avançamos em três anos e temos aqui a EOS 80D, que é uma evolução natural de tudo que a 70D já oferecia.

A EOS 80D apresenta um novo sensor de 24MP – cabe aqui um aviso: não é o mesmo sensor presente nas EOS Rebel T6i, T6s e M3, que também possuem 24MP -, além de um novo sistema impressionante de autofoco, um viewfinder inteligente aprimorado (com quase 100% de cobertura), além de melhorias significativas nos modos de vídeo (ela grava vídeos em 1080/60p, e também possui a função de intervalômetro incorporada, além de uma saída para fone de ouvido), e uma selagem ainda melhor que a 70D, o que garante seu funcionamento sob a influência de condições climáticas adversas.

No mais, a EOS 80D mantém boa parte das funções já presentes em algumas câmeras da série EOS mais recentes: ela possui WiFi, NFC e GPS incorporados, touchscreen, a possibilidade de inserir linhas guias direto no viewfinder para facilitar a composição, etc. Ela também utiliza a mesma bateria LP-E6N, introduzida em 2014 junto com a EOS 7D Mk II, mas continua sendo 100% compatível com a LP-E6, introduzida em 2009 com a EOS 5D Mk II.

ERGONOMIA E DURABILIDADE

Chuva? Sem crise.

Chuva? Sem problemas para a EOS 80D.

Um dos grandes trunfos da linha de dois dígitos sempre foi seu tamanho: as câmeras nunca foram grandes ao ponto de incomodarem, nem pequenas ao ponto de sacrificar a resistência do equipamento – e a EOS 80D não seria diferente. A câmera passa uma sensação de segurança fenomenal enquanto você a usa, sendo bem sólida e responsiva ao uso.

Outro ponto positivo é o peso da EOS 80D: eu senti ela ser mais leve que a EOS 70D. Ironicamente, ela não é consideravelmente mais leve que a 70D (são 755g da 70D contra 730g da 80D), mas talvez a distribuição dos componentes internos tenha uma influência nesse ponto. De todo modo, a redução de peso (mesmo que pequena) é mais que bem vinda, visto que a resistência da câmera não foi sacrificada de modo algum.

O fato dela ser bem construída e selada acaba passando uma segurança extra ao fotografar. Começou uma garoa fina, mas constante, enquanto eu fazia alguns testes com a EOS 80D na Avenida Paulista. Eu não senti a necessidade de protegê-la, fato que, com toda certeza, eu teria com alguma outra câmera – como a EOS Rebel T6i, por exemplo.

PERFORMANCE E QUALIDADE DE IMAGEM

Esses são os dois pontos em que a EOS 80D me surpreendeu.

Ao ser anunciada e os reviews começarem a pipocar, inúmeras pessoas afirmavam que a câmera era ótima, muitas vezes batendo de frente com as irmãs mais importantes como a EOS 6D e a EOS 5D Mk III. Como eu não havia colocado a mão na EOS 80D, acabei esperando para me pronunciar apenas após o uso dela e… Os reviews estão certos – em partes.

A começar pelo novo sistema de autofoco, que é simplesmente fenomenal. Com 45 pontos de autofoco, todos cruzados, a câmera possui um micro sensor de medição que procura o foco através dos tons de pele. E isso não é só balela de mercado, não: ele realmente funciona.

Quer usar uma ultra angular, em baixa luz, com três spots coloridos de contraluz? Sem problemas – e com o resultado consistente:

thewonderyears-3

The Wonder Years / Canon EOS 80D + EF 11-24mm f/4L USM – f/4, 1/250, ISO 3200

Quer fazer uma sequência com autofoco contínuo, num dia nublado, com pessoas passando na sua frente? Ela também consegue: todas as fotos abaixo foram feitas no modo AI Servo, com ISO 800, f/3.2 e 1/320.

E essa situação também se aplica ao modo live view, até mesmo se for utilizando o celular como disparador remoto (via wifi).

ISO 800, f/1.6 e 1/125

ISO 800, f/1.6 e 1/125

Esse sistema de autofoco é simplesmente sensacional e me deixou bem impressionado. No show em questão, inclusive, eu usei tanto a EOS 6D quanto a EOS 80D, com a 80D acertando o foco em uma quantidade consideravelmente maior de fotos.

A qualidade de imagem do sensor também é surpreendente. Ele realmente possui um alcance dinâmico bem maior que diversas câmeras do próprio line-up da Canon (incluindo a EOS 5D Mk III), mas quando o fator a ser considerado é o desempenho em ISO alto, ele ainda não está a par com as fullframes: a EOS 80D apresenta uma qualidade de imagem boa até ISO 3200, com 6400 sendo utilizável em algumas situações. Acima disso, o ruído começa a ficar bem aparente, se tornando uma distração. Mesmo assim, o desempenho em ISO alto dela é melhor que o de sua antecessora, a EOS 70D.

E O RESTANTE?

A EOS 80D ainda apresenta algumas surpresinhas na manga. Ela é a primeira DSLR da Canon compatível com as objetivas do novo sistema Nano USM, que possuem um motor (alimentado externamente) com controle de zoom para gravações em vídeo, que em tese trará objetivas com o autofoco mais rápido e silencioso, em um meio termo entre o USM e STM convencionais.

Além disso, ela possui a função “bulb timer”, que eu nunca havia visto em outra EOS. O que ela faz é possibilitar o usuário a programar o tempo de exposição para a utilização da câmera em bulb, indo muito além dos 30 segundos de exposição e sem a necessidade de levar um controle com trava ou um notebook para controlar isso.

A câmera também tem as funções de intervalômetro (para a captura de timelapse) incorporada na câmera, HDR (apenas para JPG) e múltiplas exposições.

CONCLUSÃO

A EOS 80D é uma ótima câmera. Ela tem inúmeras qualidades que podem torná-la o corpo principal de muitos fotógrafos ou filmmakers, amadores ou profissionais. Se você procura uma DSLR que entregue uma ótima qualidade de imagem e seja confiável, a EOS 80D junta tudo isso e mais um pouco. O sistema de autofoco é simplesmente um dos melhores que eu já usei nos últimos anos, e o sensor dessa câmera com certeza merece os inúmeros elogios que recebeu por outros usuário. Definitivamente é uma câmera a se considerar.

Agradecimentos especiais à Canon Brasil pelo empréstimo da câmera para análise.

%d blogueiros gostam disto: