Papo de Fotógrafo Podcast

Menu
Livros e Cinema

Um pedido de desculpas e 5 filmes que recomendo

28 de dezembro de 2016
art_ivansilva

Olá pessoal, tudo bem?

Em Abril recebi o convite do PDF para escrever sobre cinema e livros. Como a frase célebre do tio do Peter Park “Com grande poderes temos grandes responsabilidades” eu vi mais do que necessário estudar sobre esse assunto que me encanta que é o mundo do cinema.

Escrevi o artigo do “A função da cor no Cinema” e desde então não escrevi mais nada, mas espera, foi por um bom motivo. Fui estudar cinema, mas não somente por conta própria como fazia, mas me matriculei em duas das maiores escolas de cinema do Brasil e estudei Direção, Direção de Fotografia e em breve outros temas. Tudo isso para poder trazer a vocês mais conteúdo relevante seja de aprendizado da fotografia com olhar cinematográfico ou para mostrar outros filmes além daqueles mainstream que todos falam… Birdman, O Regresso são ótimos, mas em cinematografia é muito mais que Emmanuel Lubeski.

Sendo assim, meu pedido de desculpas por ficar ausente, mas em 2017 vocês podem esperar MUITO conteúdo que já vem sendo preparado e como um esquenta, quero deixar vocês com 5 filmes que eu vi em 2016 e adorei. Vamos lá?!

1- A Criada (The Handmaiden, 2016)

Confesso ter um pouco de preguiça em ver filmes Asiáticos, talvez pela lingua oriental que me obriga a ler legendas, mas foi uma grata surpresa ao achar esse.

The Handmaiden foi o melhor filme que vi esse ano sem sombra de dúvidas. Se você procura filmes para se inspirar na fotografia ele é uma ótima referência de uso da luz e sombra. A movimentação da câmera varia durante o filme conforme o filme pede e o roteiro é deslumbrante.

2 – A Bruxa (The Witch, 2015)

Terror psicológico, atmosfera sombria criada pela fotografia A Bruxa foi um dos melhores filmes desse gênero que vi esse ano. É imperdível!

3 – O Último Capítulo (I Am the Pretty Thing That Lives in the House, 2016)

Foi um filme produzido pela Netflix, mas ele é controverso por não tem jumpscares, não é frenético e foge das convenções de gênero que espectadores comuns esperam de um filme de terror. Uma fotografia que abusou de travellings lentos que fazem você entrar mais na cena ou para apresentar detalhes narrativos. O filme foi dirigido pelo filho do Oz Perkins, nada menos que o filho do ator Anthony Perkins que interpretou Norman Bates em Psicose de Hitchcock. Um filme que amei e com certeza muitos vão odiar!

PS: Que título horrível que colocaram em Português

4 – Julieta (2016)

Pedro Almodóvar é sinônimo de cores, color e histórias dramáticas. Aqui não é diferente, Julieta é uma aula de como expor cores durante um filme. Basicamente usando cores primárias na paleta cara cor é apresentada uma a uma na cena o que foi um trabalho belo de direção de arte.

Como história não é o melhor filme do diretor, mas é uma história possível e com um final… bem é melhor vocês conferirem!

5 – Aquarius (2016)

Aquarius é uma obra prima do cinema Brasileiro que foi dirigido pelo Pernambucano Kleber Mendonça Filho. Aclamado em Cannes e no festival Toronto, o longa foi esnobado pela comissão que seleciona o filme Brasileiro que iria concorrer ao Oscar 2017. A história é envolvente e real do que acontece com a tomada dos “espigões” no litoral de Recife.

Sonia Braga está brilhante, sendo reconhecida pela mídias Americanas como nome forte para vir como candidata a melhor atriz pela academia de cinema de Hollywood. Será que chegou a nossa vez?