Papo de Fotógrafo Podcast

Menu
Histórias e Pensamentos

Quais são as suas referências?

22 de Fevereiro de 2017

Tem um fotógrafo, o Benjamin Von Wong, chino-canadense. O cara tem uns quatro anos de estrada na fotografia, mas já se estabeleceu como um dos melhores fotógrafos da atualidade. Talvez você ainda não conheça ele, mas seria interessante conhecer.

O trabalho do cara é pautado na criatividade. E o que é criatividade, neste caso? Juntar dois elementos que não tem nada a ver um com o outro. Um exemplo é uma foto que ele fez, em que juntou futebol free style com algo que já faz parte da humanidade desde os início dos tempos: fogo. O resultado é essa foto aqui embaixo.

benvonwong-nextlevel

Talvez tu até tenhas visto algo dele. Um dos trabalhos mais famosos dele é um editorial que fez todo submerso, em locais de naufrágio. Uma das fotos é esta abaixo:

benvonwong-ocean

A referência de alguém é determinante para o “até onde ela vai” em qualquer área. Na fotografia não é diferente. A referência serve para dar um norte, um rumo ou uma meta para o fotógrafo. Ele sabe que se inspirar naquele fotógrafo “referência”, tem chances de chegar até onde o cara chegou.

Dá para ter várias referências. Se tu fotografa casamentos, pode ter uma referência para fotos de cerimônia. Outra para fotos de recepção. Primeira dança pode vir de outro fotógrafo. Faz trash the dress? Pode ter um fotógrafo como referência só para isso. Mas, ao escolher uma referência, garanta de escolher O MELHOR naquilo.

Eu era moderador de um grupo de gestante e newborn com mais de 17 mil membros. Fiz uma postagem falando justamente sobre referências e no final perguntei quem eram as referências dos membros. Muitos participaram, mas me decepcionaram com quem usavam de referências. Um ou dois se referenciavam EM MIM. Ainda não sirvo para referência de ninguém. Talvez algum dia chegue num patamar de qualidade de trabalho, com um material consistente. Outros tinham “fulano”. Dai ia pesquisar quem era o fulano (que até aquele momento não conhecia) e descobria que o cara tinha o mesmo tempo de trabalho de pra quem ele era referência. É como dois cegos guiando um ao outro.

Quer escolher uma referência? Mire alto. Faz um exercício: pergunte-se se tu pagarias para aquele cara ensinar tudo que ele sabe pra ti. E quanto valeria esse conhecimento. Um real, dois reais? Mil reais? Cem mil reais? Um milhão? Ou não tem como colocar preço?

Dai entra porque comecei falando do Von Wong. O cara tem um baita trabalho, desenvolvido em pouco tempo. Pode servir como uma referência para criatividade, mesmo não sendo uma área que eu trabalhe (editoriais). É possível usa-lo para pensar “Nossa, dá pra fazer trabalhos muito diferentes, com ideias simples”.

Hoje eu trabalho basicamente com fotografia social. Casamentos, ensaios de família gestantes. Tenho uma referência para cada uma destas áreas. Em casamentos a minha referência é quase um clichê: Everton Rosa. Não pela “sensibilidade” ou pelas fotos que faz, mas sim pela visão dele sobre a fotografia como negócios. Se eu quero me espelhar em alguém, que seja em alguém que já vive uma fase de sucesso, pra tentar entender como ele chegou lá, quais ações ele tomou, as abordagens, as estratégias. Dentro da fotografia, talvez uma das minhas maiores referências para eventos não seja nem alguém da área. Hoje minha referência seria Sebastião Salgado, pela linguagem e forma de olhar para cenas que passam despercebidas para a gente.

No final, tudo que eu vou dizer: tenha uma referência “foda” na fotografia. Aquele cara que tem um trabalho que é forte dentro da fotografia contemporânea. Mas, que ao mesmo tempo tenha consistência. Tem muita gente boa começando, mas ainda precisam amadurecer estilo para poderem ser “referência” de alguém. Senão, são apenas um cego guiando outro cego.

—————

Yul Barbosa
www.emotecinephoto.com.br