Papo de Fotógrafo Podcast

Menu
Edição e Tratamento

O mito do crop

15 de março de 2017

Pensamentos de uma fotógrafa fracassada…

Outro dia li a seguinte frase de um fotógrafo no Facebook: “Cada vez que faço um crop para melhorar uma imagem, sinto que fracassei como fotógrafo”. Fiquei um bom tempo refletindo sobre ela. Será que fazer um crop numa foto faz de você, ou da sua foto, um fracasso?

Num mundo ideal, todas as fotos já sairiam perfeitas no primeiro clique. Mas infelizmente, não vivemos nessa utopia. Principalmente quando não temos controle sobre tudo o que está à frente das nossas lentes, como é o caso dos fotojornalistas, fotógrafos de eventos, etc. As coisas acontecem de forma rápida e nem todos temos precisão cirúrgica quando clicamos, por mais que tentemos. Eu mesma, não tenho. Por exemplo, tremo muito (mal de família), e muitas de minhas fotos podem sair um pouco tortas. Com um leve ajuste de rotação na ferramenta crop, tudo volta pro lugar.

Porém, também existe outro motivo para cropar (tirando essa correção de horizonte para fotógrafos desequilibrados), que é a interpretação. Sempre ela. Aliás, re-interpretação. Cropar é, de certa forma, refotografar. Fazer uma releitura posterior da imagem, onde podemos enxergar uma nova fotografia, mais forte, dentro daquela. Essa é uma prática comum desde os primórdios da fotografia. Dizer que cropar é sinônimo de fracasso é chamar de fracassados boa parte dos grandes fotógrafos da história, muitos dos quais nem estão mais aqui para se defender, coitados. Um de meus fotógrafos favoritos, Eliott Erwitt, numa de suas fotos mais famosas, deu um baita crop*. Teria Erwitt fracassado como fotógrafo? Desculpe, mas considero isso uma heresia fotográfica.

d75178faa7ad2bf9899f93f3e9b331d3

USA. NYC. 1946.

Crédito: Elliott Erwitt / New York City, 1946 / Magnum Photos

Quando enquadramos uma cena, escolhemos o que queremos incluir na nossa foto, mas também escolhemos o que queremos deixar de fora dela. Cropar é reduzir o enquadramento visível para eliminar coisas que não farão falta naquela imagem se não estiverem mais lá. A chance de essa “sobra” estar desviando a atenção do foco principal da sua foto é enorme. Seja essa sobra um espaço vazio, desequilibrando sua composição, sejam elementos que não estão fazendo parte da história daquela imagem. O que quer que seja, ou se você apenas mudou de ideia, pode dar um crop e cortar isso tudo fora sim!

Olha, não me levem a mal, dou meu máximo para que a foto saia o mais ‘pronta’ possível da câmera. E sugiro a todos que façam isso, ao invés de fotografar já pensando nas correções que serão feitas na pós produção. Afinal, isso vai resultar em menos tempo no computador e mais tempo vivendo nossa vida fora dele (fotografando, inclusive). Mas eu não sou uma fotógrafa perfeita. Se a foto vai ficar melhor com um crop, faço. Juro que não dói. A melhor parte disso? Cropar também é aprender. Da próxima vez que se deparar com uma cena parecida, você já vai aplicar o crop na hora, dando um passinho a frente.

—————

Maíra Erlich
mairaerlich.com

%d blogueiros gostam disto: