Papo de Fotógrafo Podcast

Menu
Wedding Brasil

5 palestras que você deveria ter assistido no Wedding Brasil, parte I

27 de maio de 2019

Todo fotógrafo e videomaker de casamento conhece, já ouviu falar, tem vontade de ir ou já foi no Wedding Brasil, no Make Movie e no Lume. Para quem trabalha com fotografia e vídeo de casamento, família e infantil esse evento é bem requisitado entre os meios.

Além dos 3 palcos principais, o evento conta com outros palcos menores, mas com muito conteúdo: Palco Wedding, Palco Lume, Palco Make Movie, Núcleo de Família, Núcleo de Tecnologia, Núcleo do Empreendedor e o Núcleo de Vídeo.

Para matar a saudade de quem foi, vamos falar de 5 palestras que você não poderia deixar de assistir. Se deixou, a gente conta como foi.

Organização e Antecipação: aprenda a voltar para o 110w para não pirar – Fernando Borges

Para quem não conhece Fernando Borges, ele foi palestrante do Núcleo Empreendedor e como ele mesmo se define, “Fernando Borges tem 25 anos, viado, inquieto, empreendedor, criativo e campista do Fundão”.

Fernando é da cidade de Campos dos Goytacazes e fundador do evento Conferência Lampião, que esse ano acontecerá na cidade do Rio de Janeiro. Além da Conferência, ele é dono de 6 empresas. Um empreendedor lifestyle, ele diria.

Já no inicio da palestra, ele avisa “pode ser que eu desmotive algumas pessoas e que eu disser aqui sei que não se enquadra para todas as pessoas por vários motivos”. Fernando é daquelas pessoas que em tudo que ele empreende, ele busca representatividade.

Com seis projetos, ele com a ajuda de muitas pessoas encabeça o Atêlie da Luz – escola de fotografia, 2ª Casa – pub, Conferência Lampião – evento de fotografia, Varanda Amarela – espaço para agregar as pessoas com fotografia, dança, fotografia, teatro no Vidigal – Rio de Janeiro, Casa dos Fundos Hostel e Colab 07 – com soluções fotográficas para os mais variados tipos de serviço dentro da fotografia.

Assim como todos os projetos, Fernando se preocupa muito com o posicionamento político que ele agrega aos seus empreendimentos. A maior preocupação dele é criar ambiente de proteção para quem vive à margem da sociedade e criar espaços onde as pessoas possam ser o que elas são ou desejam, como ele mesmo disse. Fazer com que as pessoas acreditem nelas mesmas apesar dos perigos da sociedade que a cada momento que passa vão ficando mais visíveis. Com isso, ele fala sobre a lógica da escolha e não a escolha em si e principalmente, na relação de não ligar para o que as pessoas pensam sobre você.

Em se tratando de empreendedorismo e agregar as pessoas, ele acredita que o talento é a base de toda a estrutura e o momento de ver o que faz de melhor para colocar em jogo canalizando todas as energias para isso. Além de ter dado exemplos que todo empreendedor de trabalhar muito, permuta, parceria e muitos outros exemplos, mas que a solução disso tudo é ter planejamento e saber dividir tarefas, pois é muito importante para todo esse processo.

E nessa pressão toda que é empreender, ele fala que é necessário se expor mas sem se comparar com o outro pois as vidas são diferentes e cada um está em seu processo individual com aquilo que acredita. Lidar com erros, altos e baixos, aplicação de conhecimento com inspiração e sempre, quando errar tenha alguém do seu lado que te diga que você consegue. Não dê ouvidos para quem te desmotiva. Faça o seu empreendimento vire algo que não tenha mais como voltar atrás. Ele também cita que não tem problema acordar meio dia, se você vai dormir 3 ou 4 horas da manhã, mas durma 8 horas por dia e alguns momentos não abra mão da sua vida social. E para que tudo ande como se deva andar, anote tudo que precisa ser solucionado com datas e prazos (além dos subprazos com margem de erro, por exemplo… se o trabalho é para o dia 10, ele tem que estar pronto no dia 5) e anote coisas simples mesmo como “Ligar para Ciclano”. Planejar até o não planejado e crie métodos para fazer as coisas.

Fechando a palestra, Fernando quis frisar que “O que você faz pode ser que alguém faça melhor que você – mas seja melhor que você mesmo”. Além disso, passou a mensagem de que as pessoas precisam ser gratas e que nem sempre os apoiadores serão pais ou familiares, mas que sempre confiem em si mesmos.

—————

Texto: Debora Agostini